Encerramento de 4 anos de mandato

A todos os associados e simpatizantes,

Visto que não houve oportunidade para fazer um balanço destes quatro anos de direcção do Clube Fluvial de Coimbra, venho, por este meio, deixar algumas considerações que gostaria que fossem recordadas, pois houve erros, mas não podemos esquecer a expressiva melhoria do Clube nos últimos anos.

Gostava em primeiro lugar de dizer que foi para mim uma grande honra trabalhar ao serviço do Clube durante estes quatro anos, pela experiência adquirida, pelos objectivos alcançados, pelo desafio e pelo crescimento da família Clube Fluvial de Coimbra.

Todas estas conquistas resultaram da colaboração de todos os que querem o bem do Clube, e mesmo nos dias em que a motivação não era a maior, não deixaram de nos apoiar e de continuar a responder aos nossos pedidos. Posto isto, não queria que esquecessem todos aqueles que estiveram nesta caminhada, tanto toda a direcção envolvida, como treinadores e monitores, sócios e até os simples simpatizantes.

Não queria também encerrar esta jornada, sem admitir todos os erros cometidos, principalmente na fase final, pois os meus objectivos profissionais sobrepuseram-se um pouco com os objectivos do Clube, visto ter terminado a licenciatura nessa fase. Perante isto, gostaria de deixar as minhas desculpas por não ter mantido o nível planeado até aos últimos dias do nosso mandato.

No entanto, muito trabalho foi feito e não deve ser esquecido. Ainda me lembro do dia que me candidatei com o Tomix pela primeira vez, em 2006, dois rapazes que gostavam bastante do Clube e que queriam mudar-lhe o rumo. Recordo me também que o Frederico, na altura, me pediu um papel com os objectivos a que nos candidatávamos, julgo que esse papel já não exista, no entanto essas metas estiveram sempre no nosso pensamento, e tenho o orgulho de afirmar que, dos objectivos delineados, apenas um não foi concretizado, o de comprarmos uma carrinha. Com apenas 18 anos (e o Tomix com 22), candidatámo-nos à direcção do Clube, com o apoio de uns, e com a desconfiança de outros, por sermos muito jovens. Este foi um dos problemas que me deparei ao longo deste percurso, apresentando-se desde inicio, tanto na primeira entrevista dada ao Diário de Coimbra, bem como na primeira reunião com o Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Coimbra, como é de compreender, ainda não tínhamos demonstrado nada e a nossa tenra idade também não lhes dava segurança. Mas a nossa motivação e capacidades eram elevadas e desde cedo mostrámos que estávamos para fazer a diferença. Senti que este problema estava ultrapassado quando, numa das conferências de imprensa do primeiro Campeonato Nacional organizado, o Vereador do Desporto, perante todos os jornalistas, conta a nossa jornada até entanto e a sua desconfiança natural de inicio, mas que tínhamos provado ser pessoas com competências e decididos. Posso dizer-vos que foi das coisas que mais me marcou na primeira direcção, foi também dos primeiros objectivos cumpridos e algo que não irei esquecer certamente.
Poderia enunciar todas as metas atingidas ao longo destes anos, no entanto, quem segue os passos do Clube e que se preocupa com o mesmo, reconhece-os. Porém, gostaria apenas de falar do objectivo “Reconhecimento do Clube”, pois investimos bastante neste e os resultados estão à vista, com cerca de 8000 visitantes (sem repetição) do nosso site até à data, exponencial crescimento do número de sócios, transmissões televisivas das nossas provas, cartazes, entre outros, ajudaram a que o nome do Clube e o que fazemos, fosse reconhecido por mais pessoas, aumentando assim a nossa Família. O reconhecimento atingido não foi só do Clube em si, mas também da Canoagem, reduzindo o grande dilema de muitas pessoas, “então andas no remo não é”, o nos deixa bastante indignados.

Não me importo de ser reconhecido como o “Hugo da Canoagem”, por todas as pessoas com as quais fizemos parcerias, pois se isso acontece é porque lutámos pelos objectivos do Clube e não pelos objectivos pessoais. Todas as decisões tomadas foram em prol de um crescimento e reconhecimento do Clube.

Com isto, encerro uma caminhada com o orgulho de dever cumprido. Quanto aos problemas que me deparei, gostaria de deixar uma frase de John Kennedy, num dos seus discursos à população dos EUA, que a meu ver se aplica bastante à realidade do nosso Clube, “Não perguntem o que o nosso País pode fazer por vocês, mas sim o que podem fazer pelo nosso País”.

Com os melhores cumprimentos,

Hugo Duarte 30/12/2010